quarta-feira, 17 de junho de 2009

Dias











Eduardo Sabino*

Alguns dias são crianças; sonhavam em viver. Outros são poetas; esqueceram de morrer. O tempo é assento da morte. O tempo é acento no início. Inclinado precipício de onde se jogam os imortais.