quarta-feira, 17 de junho de 2009

Manhã nublada











Cristiano Silva Rato*


As cinzas aparecem,
Espere por favor,
A cidade nasce quando os destroços desaparecem.

Baby é só o amor que liberta.
Baby é só a morte que liberta.

Cada alma na esquina,
À Espera do clima,
Da hora certa,
Da neblina.

Vamos atacar quando amanhecer,
Nós estamos em todos os lugares,
E os lugares estão em nós,

Quando despertarmos o reinado será imaginário.

Baby é só a morte que conheço,
As mudanças chegaram,
Mas, tudo, não é só mudança?

Um emaranhado de destruir,
Para reconstruir,
Sem uma existência,
Sem resistência…

Contato: iandecacira@gmail.com