sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Dizeres finais











*Eduardo Sabino

"Pro cê eu deixo estes livros e traças. Sem desleixo, não caia em desgraça. Deguste todo esse veneno, papel por papel, sem a ilusão, meu pequeno, de devorar o céu. Neste mundo os lobos trajam vestes de fadas. Os versos te sustentam? Não me diga...
Fome, meu filho, não rima com nada. Leve no coração a poesia, não na barriga. Ontem sonhei com anjos-padeiros, sobrevoando o primeiro mundo e o terceiro,distribuindo nossas horas...Ei, calma, moleque, não chora! Sinta esse fiapo de voz como a esperança, saindo atrasada da caixa de Pandora. A luta contra o inferno, filho eterno,está em suas mãos agora..."

*eduardosabino1986@yahoo.com.br