sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Aponta-dor











Larissa Minghin*

Aponta-dor.
Escorrego:
escorre ego, escorre...

Eu deixo ir,
eu lavo a alma,
eu rego as flores
que moram em mim.

Aponto as dores,
descubro novas cores,
aponto o grosso
grafite que sou.

Rabisco leve,
deslizo, danço.

Fino escreve quem usa apontador.

*laraminghin@gmail.com