sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

O fim do mundo da inteligência











Alessandro Faleiro Marques*

Dizem que a melhor forma de divulgar uma obra é dizer mal dela. Os produtores pulam de alegria quando um comunicador, um líder, um educador desaconselha algum trabalho. Por isso, recomendo: assista ao filme “2012”. Depois não reclame, pois eu avisei. Prepare-se para um grande arrependimento de ter gasto seus suados reais em mais uma imbecilidade, em vez de tomar aquele chope gelado ou comer algo gorduroso em um bar e se divertir com as caras decepcionadas saindo das salas depois de pagarem caro para ver mais uma asneira do circuitão comercial.

O filme é uma ofensa à mais medíocre inteligência. A imprensa anda dizendo que o autor, Roland Emmerich, gosta muito de trabalhar com clichês, mas vejo por outro lado: faltam mesmo é criatividade e leitura. Nem os efeitos visuais são os melhores já produzidos por Hollywood, sem contar as ideologias pra lá de ridículas mostradas na telona.

A destruição do mundo é causada pelo superaquecimento do núcleo da Terra. Uma piada! O superaquecimento está aqui, na parte de cima. No mundo real, a Terra é a vítima. Outra blasfêmia nas quase duas horas e quarenta minutos de tempo perdido é o fato de o G8, o grupo dos mais poderosos países do mundo, serem os salvadores dos humanos (os que podem pagar muito em euros, é claro!). Na verdade, o grupo de ricos é o maior responsável pelo colapso do planeta. E uma crítica a ser aprofundada por algum intelectual: a China aparece, em 2012, como mera executora dos projetos. Outra parte chinfrim são os helicópteros, em plena neve, levando animais africanos para as tais arcas. Senhor Emmerich, hoje já existe tecnologia para armazenar o código genético, sobrando mais espaço na geringonça flutuante.

A espiritualidade, um patrimônio humano, também é ridicularizada na baboseira. O piloto orando e mostrado como um imbecil, o Cristo Redentor tombando pela fúria da “natureza” e a Basílica de São Pedro caindo, em um único bloco, sobre os fiéis que recebem a derradeira bênção pontifícia. Quanta tolice! Se o autor tivesse o menor conhecimento de religião, saberia que, em todas (as sérias), a mensagem sempre é de esperança. Este mundo acaba, e de forma cinematograficamente catastrófica, só para o incrédulo.

Fica um elogio (só um, para minha tristeza): a promoção social. Diferente dos autores de nossas novelas, os americanos sabem fazê-la muito bem. Os negros têm papel de destaque, sem precisar fazer discursos sobre racismo. Isso aconteceu também em Independence Day, do mesmo autor. A sempre esquecida África sobrevive à catástrofe e, nela, a humanidade, ou melhor, quem pagou passagem nas arcas, recomeçará.

O cinema e outras formas de arte não precisam mostrar a realidade. É diversão e nada mais. No entanto, desde que o tema trabalhe com ideologias claras, o público tem direito de questionar a obra. Nunca é demais lembrar: por trás e na frente da tela, há pessoas. Comunicação é troca e, se o nosso cotidiano fornece subsídios, podemos dialogar com quem se inspira em nós.

Um segredo: estou torcendo para esse filme ganhar uma sacola cheia de estatuetas do Oscar. Isso apenas confirmaria minha tese de que esse prêmio, como o próprio filme, reconhece menos a obra e mais a propaganda do dominador.

Poderia gastar mais linhas comentando 2012, mas não quero cair no mesmo erro do autor. Minha mensagem é rápida. Longe de mim tomar o tempo de alguém.

*faleimar@hotmail.com