domingo, 7 de novembro de 2010

Ah, que falta que um rabo faz!











Carla Giffoni*

A evolução de Darwin diz que todo homem descende do macaco. Não desacredito desta afirmativa, diferentemente das beatas que ainda proliferam em pleno século XXI. Tem gente que crê que a maçã é não apenas um símbolo do pecado, mas o próprio.

Deixando o desconjuro de lado e me atendo apenas ao fato de que a ascendência humana vem de um primata, realmente é lamentável que no meio da cadeia evolutiva tenhamos perdido aquilo que considero primordial: o rabo.

Ah, que maravilha seria ser portador deste membro – se é que posso classificá-lo como tal – que, apesar da evolução científica, tanta falta faz nas atividades humanas hoje em dia! Acredito que o mundo é o que é hoje porque não temos um rabo. Imagino Freud tendo que refazer suas teorias, como aquela que diz que toda mulher tem inveja do falo do homem. Nós mulheres não teríamos o desconforto da inveja: a igualdade rabística prevaleceria entre os sexos. Um mundo novo se descortinaria, certamente.

Fico imaginando os diferentes tipos de rabos que cada um carregaria. Eu, particularmente, ia querer que o meu rabo fosse semelhante ao do Capitão Rodrigo, um gato vira-lata da vizinha, adotado por minha mãe, que o batizou com o nome do personagem de Verissimo. O rabo do felino era lindo, lindo.... todo branco; e como o gato carregasse na ascendência a estirpe de um fidalgo angorá, seu rabo, além de ser alvo como algodão, era também volumoso! Já pensou que maravilha ir à praia com um rabo desse tipo?!

Mas uma coisa me ocorreu agora: será que no rabo de nós pobres mulheres mortais também haveria a praga imemoriável da celulite? Vixe! Tomara que não! Porém, como as conjecturas são minhas, fica decretado que no meu mundo rabístico ficcional rabo de mulher não teria celulite. Cumpra-se.

Fico imaginando também os diferentes tipos de rabos femininos e masculinos. Creio que nas mulheres haveria a praga dos rabos com as famigeradas chapinhas a alisar e uniformizar suas texturas. Um grande desperdício, devo lamentar, porque, assim como o cabelo da cabeça, acredito que seria importante que o cabelo (ou pelo, como queiram) do rabo permanecesse com suas características próprias. A diferença e autenticidade é que o tornaria singular e original.

Claro que, como vivemos num período no qual se busca o politicamente correto – que, convenhamos, é uma chatice e além de tudo traz no seu bojo uma grande forma de preconceito não verbalizada – haveria rabos também antenados com a situação vigente.

Será que haveria alguma campanha do tipo: “salve os rabos dourados”, semelhante ao que volta e meia se faz com algum animal silvestre que corre o perigo de extinção?

Ah, e os pobres dos carecas! Imagino que a natureza, para compensá-los, decretaria que, por mais testosterona que o homem tivesse, nunca perderia os pelos ou cabelos dos rabos.

Claro que haveria os radicais, que, no afã de se diferenciar dos outros, raspariam o rabo e colocariam ao longo do membro as mais variadas tatuagens e piercings. Haveria igualmente os mais meigos, rabos adolescentes: um rabinho com chiquinhas, fitinhas, tudo muito feminino e cheio de frufru. Muito fofo!

O grande perigo seria em Brasília. Logo surgiria uma lei ou moda impondo que todo aquele que almejasse um cargo político teria que extirpar o rabo. Uma forma de coibir (ou esconder) as falcatruas, os dólares na cueca e cia. Sabe como é... político vive de rabo preso, e a comprovação visual deste fato já seria por si só incriminadora.

É... como a humanidade perdeu ao longo dos séculos por não carregar um rabo! Tudo seria diferente se nós – mulheres e homens – carregássemos ainda este membro perdido na primeira infância da humanidade.

O mundo cresce, a ciência evolui, mas até o momento o rabo ainda é motivo de divagação de uma estudante universitária. Uma pena! Mas – tenho que confessar – ainda carrego um fio de esperança. O Projeto Genoma está aí. Quem sabe os cientistas não se animam, né? Tumara!

Carla Giffoni tem 16 anos de experiência como jornalista atuando nas Editorias de Política, Polícia, Cultura e Cidades, revistas, sites, jornais e emissora de TV. Pós-graduada em Jornalismo Cultural e graduada em Comunicação Social – habilitação em Jornalismo. Aluna do curso de Letras/Formação de Escritor da PUC-RJ. Contato: carlagiffoni@yahoo.com.br.