domingo, 7 de novembro de 2010

Men... digo











Cristiano Silva Rato*

Nossos nomes não importam mais...

Men... digo:

Desprendi-me dos números
e dos finais;

Men... digo:

Nossos registros pegaram fogo
em algum cais;

Men... digo

Observo pelas grades laterais.

Perturbamos a grande jaula de aço. Não respeito leis, nem reconheço a autoridade. Perturbamos com nosso silêncio, n’o canto da cidade. As máquinas morreram também. Meu, passado, foi junto. Observamos os fadados, pela grade... Olham e sorriem, fazem cara de nojo, de compaixão. Dissimulados da porra.

*cristianorato@caoseletras.com